segunda-feira, 9 de junho de 2014

Susto e Oportunidade são, realmente, excludentes?


Lendo a revista Veja de 29 de maio me deparo com uma matéria que reforça minha crença no sentido de que a melhor resposta sobre o nível de efetividade quanto à interoperabilidade e ao uso de padrões de integração será sempre dada pela sociedade.  Para tanto, ela precisa conhecer e saber o que isto representa para ela. 

No artigo, intitulado “O Susto Brasil”, fica visível que apesar dos serviços eletrônicos disponibilizados, de qualidade comprovada pela sociedade, ainda há muito a ser feito.  

Para mim, deparei com uma excelente oportunidade, não só no que se refere ao desenvolvimento de novas soluções e serviços, mas, ainda, quanto à importância em dar publicidade sobre as evidentes vantagens incorporadas a estes serviços com o uso de padrões e a interoperabilidade conquistada. 

A afirmação contida na página 92, de que “uma das características mais intrigantes do país é a falta de código, de conceito” me remete à taxonomia, um dos aspectos mais relevantes em um processo de integração.  Remete-me à experiência recente nas etapas de criação do Modelo Global de Dados – MGD, padrão para integração de dados e processos, incorporado à Arquitetura e-PING – Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico, em 2010.  

A cada nova etapa de construção do Modelo Global de Dados do Macroprocesso de Planejamento, Orçamento e Finanças ficava claro – tanto para os analistas modeladores quanto para os especialistas no negocio – os vários entendimentos quanto ao significado dos dados envolvidos e, consequentemente, de seus conteúdos, gerando baixo nível de reuso e elevado grau de redundância.   

Na medida em que se incorporava a visão de negocio ao Modelo (que corresponde a descrição de processos em alto nível), evidenciavam-se os vários entendimentos quanto a amplitude de seu próprio processo ou o desconhecimento do processo do “outro”, gerando por vezes rotas de integração de dados mais longas e, por consequência, sujeitas a problemas na integridade e qualidade de seus conteúdos.   

Se o fato pode parecer à primeira vista um problema impossível de ser resolvido, encontra no uso de conceitos comuns, padrões e taxonomias, a solução ideal.  Vimos isto recentemente no desenvolvimento do novo Sistema de Organização e Inovação Institucional do Governo Federal, ou NOVO SIORG[1]. 

Utilizando o padrão MGD, Modelo Global de Dados, para identificar as integrações existentes e as integrações necessárias já na fase inicial de seu desenvolvimento, o novo sistema primou por usar os padrões de interoperabilidade preconizados pela e-PING em todas as suas demais fases.  Em seus primeiros momentos de uso a diferença foi percebida, positivamente, pelos especialistas - servidores envolvidos nas atividades de atualização, consulta e utilização de seus dados para geração de informações diversas para gestão e tomada de decisão no âmbito do Poder Executivo. 

Para o cidadão o uso de padrões, neste caso, pode trazer como consequência desde uma maior agilidade na obtenção de informações sobre qual órgão é responsável pelo serviço eletrônico que ele precisa,  até uma maior exatidão nos dados sobre por quem e como estão sendo empregados os recursos decorrentes da arrecadação de impostos. 

E aí pergunto, quando nos deparamos com iniciativas como esta, estamos ou não de frente com uma oportunidade para dar publicidade as evidentes vantagens incorporadas aos serviços eletrônicos a partir do uso de padrões e a interoperabilidade conquistada.



No final das contas, o valor de um estado é o valor dos indivíduos que o compõem.
(John Stuart Mill, filosofo e economista inglês, 1806-1873)





[1] O sistema responde por informações de mais de 53.000 órgãos, 49.500 titulares, localização de órgãos em mais de 1.400 cidades e sua respectiva descrição detalhada de finalidades, bem como as competências de mais de 25.500 órgãos da administração publica.

3 comentários :

  1. Muitas vezes nos perguntamos como soluções criadas para facilitar e qualificar as atividades dos gestores públicos podem afetar diretamente a sociedade.

    Para este questionamento encontro a resposta nesse artigo, quando cita a criação do novo SIORG. A aplicação do padrões na sua criação, evitando duplicidade de informações e ambiguidade, trouxe ao cidadão um serviço mais ágil e com mais precisão nas informações prestadas.

    Esse artigo deixa claro que precisamos divulgar as iniciativas. Não basta apenas as informação serem claras e precisas para os especialistas se o cliente final, sociedade nesse caso, não souber de sua existência.

    ResponderExcluir
  2. Isabella, entendo que as partes interessadas devem ser constantemente informadas sobre os serviços eletrônicos que estão sendo disponibilizados. Questões como duplicidade e ambiguidade, bem como uso de tecnologias que não permitem integração, consomem um volume de recursos - humanos e financeiros - que poderiam estar sendo aplicados em outras iniciativas.

    Este é um dos aspectos que reforça a importância da implementação da governança - de TI e Corporativa - também no setor público.

    Obrigado pelo retorno.

    ResponderExcluir
  3. Estamos sim, pois esta é a oportunidade de levarmos a sociedade o conhecimento de que estamos pensando, pesquisando e procurando melhorias não só para as organizaçãoes públicas(um serviço de segurança
    eletrônico mais eficiente, uma agilidade nas consolidações de dados para os órgãos), mas para ela própria, no seu dia a dia. Temos que deixar claro que nossos projetos tem como finalidade melhorar a qualidades dos serviços eletrônicos para o cliente final, que no caso é a socidade. Porém, precisamos nos mostrar mais, nos apresentarmos para eles de uma forma clara e objetiva de quem somos, qual nosso papel e como indiretamente estamos atuando para a melhoria das informações e dos serviços eletrônicos tão presente em nossas vidas.

    ResponderExcluir