quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Arrumando a Casa Antes das Visitas


É um consenso que órgãos públicos devam atuar de forma integrada, com o objetivo de otimizar a utilização de recursos, economizar tempo, valorizar os orçamentos, enfim, maximizar a geração de valor para sociedade. Para tanto, cada uma dessas organizações deve, sem perder a perspectiva do cenário em que está inserida, arrumar a própria casa.
Realizar (e disseminar) o Planejamento Estratégico
Quem é da área de gestão já deve ter muito ouvido falar que planejamento estratégico é um modismo, que somente aumenta a quantidade de papéis e relatórios, que servem pouco para a tomada de decisão e nada para o dia-a-dia, “uma chatice que nós somos obrigados a tomar parte”.
De fato, quando o PE se torna uma atividade realizada apenas por imposição de regulamentação, sem uma estrutura cujos processos  mantenham um ciclo evolutivo e permitam que suas diretrizes se tornem parte do cotidiano de cada um dos artífices da gestão, o PE e o Plano Estratégico se tornam apenas um papel pendurado na parede.
O PE além de bem estruturado dever ser bem comunicado. Para tanto, ele tem que sair dos gabinetes da alta administração e penetrar em todas as salas, fazer parte do ar que respiram os servidores. Saber comunicar/disseminar o PE é tão importante quanto elaborar.
Adotar um modelo  e implantar um Sistema de Governança
Um Sistema de Governança simples e robusto é essencial para manutenção da organização nos rumos certos, dentro de uma perspectiva estratégica. Permite o monitoramento e controle das atividades do órgão com transparência e de forma socialmente responsável.
Desenhar a Cadeia de Valor
Com um bom conhecimento da razão de existência da organização, através de um planejamento estratégico bem elaborado, a construção da Cadeia de Valor é o passo seguinte para adoção de uma gestão de qualidade.
Após o levantamento dos macro processos, estes devem ser logicamente encadeados de forma a permitir a visualização do caminho de geração de valor para o cliente-cidadão dentro e fora da organização (ponta-a-ponta) em seus processos primários, de suporte e de gestão.
Adotar a Gestão por processos
A Gestão por Processos rompe as barreiras funcionais, através de uma perspectiva de processos ponta-a-ponta, isto é, transversalmente à organização. Essa forma de gestão, concatenada com diversas técnicas gerenciais, procura atuar nas diversas dimensões da geração de valor com a visão do cliente-cidadão, buscando gerar um ciclo contínuo de melhoria.
Esses são os passos básicos para que as entidades e órgãos públicos possam começar a se intercomunicar, interagir, interconectar. Muito importante, também, é a atuação de órgãos reguladores e orientadores tais como ASEGE, SEGEP, TCU, CNJ, SERPRO para o norteamento nesse caminho de amadurecimento da gestão e integração dos serviços prestados a sociedade.
Até a próxima!

Um comentário :

  1. Muito importante, já que é por meio do planejamento estratégico que se define os objetivos que se pretende alcançar. A grande necessidade é disseminar essas ações para sejam colhidas por todos. Saindo da teoria, do papel e sendo praticado no dia a dia da instituição.

    ResponderExcluir