quinta-feira, 22 de maio de 2014

Arquitetura Corporativa e Interoperabilidade - A Camada de Estratégia

Olá leitores da Comunidade Áreas de Integração!

No primeiro artigo dessa série, que trata de Arquitetura Corporativa e Interoperabilidade, foi proposto um Modelo de Conteúdo para Arquitetura Corporativa, seguido de uma abordagem sobre a relação entre Arquitetura Corporativa, Arquitetura Orientada a Serviços e Interoperabilidade.  No artigo seguinte foi detalhada a Camada de Negócios e, em nosso artigo de hoje, abordaremos a Camada de Estratégia.

Para cumprir bem sua função, como em todas as organizações, os órgãos públicos devem possuir os recursos adequados e o capital humano necessário de modo a atuar com eficiência, eficácia e efetividade em benefício da sociedade. A esse conjunto de necessidades nos referimos como “Capacidade”.

A elaboração de um plano estratégico tem como objetivo principal fornecer direcionamento comum a ser seguido por toda a organização, identificando responsabilidades, garantindo alinhamento e oferecendo meios para medição do sucesso da estratégia de modo focado, visando o alcance dos objetivos institucionais e a maximização dos resultados. As capacidades requeridas das organizações são diretamente derivadas do plano estratégico corporativo e visam satisfazer suas metas, objetivos e estratégias.

Frequentemente, o Plano Estratégico é materializado por meio do cumprimento das iniciativas estratégicas, que podem ser definidas como o conjunto de ações necessárias ao alcance dos objetivos estratégicos e ao preenchimento das lacunas de desempenho, existentes entre o desempenho atual e as metas futuras. Frequentemente as iniciativas estratégicas são agrupadas em projetos e programas, enfim, ações de caráter estratégico.

A Camada de Estratégia do Modelo de Conteúdo proposto tem como objetivo refletir um conjunto de entidades que permitem que os principais aspectos relacionados aos fundamentos de negócio e as entidades estratégicas da organização sejam capturados, armazenados, filtrados, representados e consultados de forma a suportar a consistência, a integridade e a rastreabilidade dessas entidades.

Assim, essa camada pode conter as informações relacionadas a:


  • Missão, Estratégias e Táticas;
  • Visão, Metas e Objetivos;
  • Influências, Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças;
  • Princípios e Métricas;
  • Políticas e Regras de Negócio.

A figura a seguir ilustra as relações cruciais entre planejamento baseado em capacidade, arquitetura corporativa e gestão de portfólio / projeto. Do lado esquerdo, a gestão de capacidade está alinhada com a arquitetura corporativa. Do lado direito, a arquitetura corporativa está associada à gestão de portfólios e projetos. 


Em uma arquitetura corporativa, um Bloco de Construção (BC) é um pacote de funcionalidades definidas e entregues para atender às necessidades de negócios em uma organização. Os BCs correspondem às entidades definidas no Modelo de Conteúdo (como Ator, Serviços, Edificações, Aplicativos ou Entidades de Dados).

Em um primeiro momento, podemos acreditar que a Camada de Estratégia não tem muita relevância quando falamos de interoperabilidade. Entretanto, os direcionamentos estratégicos do governo federal podem afetar, de forma comum, vários órgãos de governo. O Planejamento Estratégico de determinado órgão pode depender ou influenciar no planejamento de outro órgão. Numa visão de arquitetura corporativa e, principalmente, para uma boa governança, é importante que essas inter-relações estejam visíveis.

Neste artigo vimos como a Arquitetura Corporativa trata os desdobramentos entre o Planejamento Estratégico, passando pela obtenção das capacidades requeridas a serem entregues pela Gestão de Projetos e Portfólios. No próximo artigo, trataremos da Camada de Projetos.

Deixe suas dúvidas, sugestões e comentários e até a próxima!

Nenhum comentário :

Postar um comentário