quinta-feira, 8 de maio de 2014

Arquitetura Corporativa e Interoperabilidade - A Camada de Negócios


No primeiro artigo dessa série, que trata de arquitetura corporativa e interoperabilidade, foi proposto um Modelo de Conteúdo para Arquitetura Corporativa. A partir deste artigo detalharemos cada uma das camadas do modelo proposto, iniciando pela Camada de Negócios.

Como vimos anteriormente, o Governo é composto por uma série de organizações que desenvolvem atividades que tem por objetivo a entrega de produtos ou serviços à Sociedade. A camada de Negócios aborda os serviços e produtos entregues pela organização, os seus clientes e sua Cadeia de Valor, ou seja, o agrupamento, em alto nível, dos processos de negócio realizados pela organização.
Não descreveremos aqui um método completo para o desenvolvimento da camada, mas focaremos no desenvolvimento dos seus principais artefatos que incluem:

  • O ecossistema da organização
  • O Modelo Corporativo de Negócio da Organização
A figura apresentada abaixo representa o fluxo básico para o desenvolvimento dos artefatos que irão compor a Camada de Negócios e os passos a seguir são expostos, retratando o ciclo de vida, em alto nível, para o desenvolvimento desse fluxo.

O Ecossistema da Organização (ECO) é identificado e documentado. Isto inclui os stakeholders existentes, as suas necessidades e objetivos de negócio, bem como a descrição do ambiente e as regras de interação nesse ecossistema.
O Modelo Corporativo de Negócio (MCN) da Organização é derivado de um entendimento do ecossistema da entidade de Governo, as suas relações com outras organizações e clientes e a sua visão, objetivos e outros direcionadores considerados na Camada de Estratégia. O MCN representa a estrutura da organização em torno de um conjunto de “Processos Principais” também conhecidos como “Cadeia de Valor” da organização. A Cadeia de Valor contém a relação dos processos fim da organização, ordenados em uma sequencia de forma a representar as atividades que produzem resultados focados na efetividade e eficiência na entrega de produtos e serviços. Formam ainda um habilitador chave para a interoperabilidade de serviços entre entidades de governo. Importante salientar que, futuramente, na camada de Processos, a Cadeia de Valor será decomposta em passos discretos com os fluxos e sequências dos processos da Organização, ou seja, os processos deverão ser modelados em detalhes.
Como exemplo, a figura abaixo ilustra a estrutura de um MCN típico e fornece uma divisão funcional de negócios em alto nível que identifica cinco categorias de processos estratégicos: Corporativo, operacional, relacionamento e serviços comuns que são comuns às diversas entidades de governo, retratando uma Cadeia de Valor.


Nesse exemplo, a Cadeia de Valor é destacada e apresentada horizontalmente juntamente com seus processos e os principais serviços de negócio são mostrados verticalmente. Isso permite a identificação dos pontos de interseção comuns aos processos e serviços, por exemplo, a dependência entre os processos de aplicação das leis para a emissão de multas ou penalidades e os processos comuns para a realização de pagamentos. A maior parte das organizações públicas tem como objetivo a disponibilização de serviços, mas o mesmo modelo pode ser utilizado para a visualização de produtos a serem entregues.
Os elementos (entidades) obtidos a partir do trabalho realizado para a construção dos artefatos, bem como a interação entre esses elementos servirão de insumo para dar carga em uma ferramenta de arquitetura corporativa que servirá de suporte para a manutenção da Arquitetura Corporativa do órgão.
No próximo artigo, detalharemos a Camada de Estratégia do Modelo de Conteúdo da Arquitetura Corporativa.
Manifeste sua opinião. Deixe suas dúvidas, sugestões e comentários para enriquecer o debate!

Nenhum comentário :

Postar um comentário