quinta-feira, 18 de junho de 2015

Arquitetura Corporativa e o DAMA-DMBOK



Monteiro Lobato expressa em sua célebre frase que uma nação necessita de uma população culta, esclarecida, para que possa realmente crescer.

Da mesma forma que pessoas com conhecimento têm melhor desempenho didático, uma empresa que se utiliza adequadamente de seus dados e informações poderá, também, obter melhor performance em seus negócios.

Podemos então adaptar o pensamento de Monteiro Lobato afirmando que Uma empresa se faz com pessoas e dados.

De fato, a Gestão de Dados (no inglês, Data Management ou DM), visa controlar e alavancar eficazmente o uso dos ativos de dados e sua missão e objetivos são atender e exceder às necessidades de informação de todos os envolvidos (stakeholders) da empresa em termos de disponibilidade, segurança e qualidade. uma responsabilidade tanto do setor de Tecnologia da Informação de uma empresa quanto de seus clientes internos e externos e envolve desde a alta direção, que utiliza dados na geração de informações estratégicas, até profissionais de nível operacional, que muitas vezes são responsáveis pela coleta e produção dos dados.


No artigo anterior tratamos do alinhamento do Projeto Governo Direto, realizado pelo estado de Sergipe, ao nosso Modelo de Conteúdo de Arquitetura Corporativa proposto. Hoje nosso assunto será o alinhamento desse mesmo modelo ao DAMA-DMBOK.

O Guia DAMA para o corpo de conhecimento da gestão de dados (Guia DAMA-DMBOK), é um trabalho desenvolvido pela DAMA (The Data Management Association), uma organização mundial constituída pela associação de técnicos e profissionais dedicados a promover os conceitos e melhores práticas da Gestão da Informação e Governança de Dados. O livro proporciona uma visão geral sobre Gestão de Dados, as terminologias e as melhores práticas, sem detalhar os métodos e técnicas específicas, mas indica publicações amplamente reconhecidas, artigos e sites para leitura complementar.

O DMBOK divide a disciplina de gestão de dados em 10 funções, apresentadas na figura abaixo.


Cada função é então descrita por meio da expansão de 7 elementos ambientais mostrados a seguir.


A partir daqui trataremos do alinhamento entre o DAMA-DMBOK e o nosso Modelo Arquitetônico apresentado a partir desse artigo.



Todas as 10 funções da gestão de dados estão alinhadas ao bloco de Processos definido no Modelo de Conteúdo da Arquitetura Corporativa. A Gestão de Segurança de Dados tem maior vínculo com o bloco Riscos e Conformidade.

O elemento Atividades e, da mesma forma, as Práticas e Técnicas, ou métodos populares e procedimentos utilizados para executar os processos e produzir entregas, estão vinculadas também ao bloco de Processos.

As Metas direcionais de negócios de cada função e os Princípios fundamentais que dirigem o desempenho de cada função estão associados ao bloco Estratégia do Modelo de Conteúdo.

As Entregas são elementos do DMBOK que refletem as informações e bancos de dados físicos e documentos criados como resultados intermediários e finais de cada função. São portanto vinculadas ao bloco Tecnologia da Informação.

Os Papéis e Responsabilidades da área de negócio e de TI envolvem o desempenho e a supervisão das funções, e as responsabilidades específicas de cada função. Estes elementos estão fortemente relacionados ao bloco Competências do Modelo de Conteúdo da Arquitetura Corporativa.

O elemento Tecnologia do DMBOK retrata as categorias de apoio à tecnologia (primariamente ferramentas de software), padrões e protocolos. Este elemento também está em conformidade com o bloco Tecnologia da Informação do Modelo de Conteúdo.

Algumas das questões incluídas no elemento Organização e Cultura, podem estar associadas a diversos dos blocos do Modelo de Arquitetura Corporativa por incluírem temas como:

Outras, entretanto por tratarem características comportamentais não estão previstas no Modelo de Arquitetura Corporativa. Entre essas podemos citar:
  • Atitudes;
  • Estilo Pessoal e Diferença de Preferências;
  • Comportamentos.
Mas voltando a Lobato, há lugar melhor que registre diversidade maior de comportamentos do que em sua série de Aventuras no Sítio do Picapau Amarelo?



Não deixe de ler também o artigo de Guttenberg Passos, o qual retrata o alinhamento do DMBOK-DAMA aos Pilares da Governança Corporativa.


O próximo artigo  abordará o alinhamento entre o Modelo de Conteúdo de Arquitetura Corporativa e o Guia de Comitê de TI do SISP.






Nenhum comentário :

Postar um comentário