quarta-feira, 24 de junho de 2015

Alinhamento das ações aos pilares da Governança Corporativa – Parte 8

No post anterior abordamos o Data Management Body of Knowledge (DAMA DMBOK) uma ação de grande porte voltada para a melhoria da gestão e governança nas organizações públicas e seus relacionamentos aos preceitos da governança corporativa.

Redesenho de Serviços Públicos é uma metodologia proposta pelo EloGroup e aplicada no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. O trabalho foi conduzido no âmbito do CEBAS – Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social. 

A Política Nacional de Assistência Social – PNAS define que entidades beneficentes sem fins lucrativos quando executam atividades da Administração Pública tem direito a um incentivo fiscal.

No escopo do trabalho foram consideradas aproximadamente 17.000 Entidades de Assistência com cerca de 7.000 certificados ou com processo CEBAS no MDS.

A abordagem utilizada (figura 01) levou em consideração as seguintes premissas: combinar o que é viável (serviço público), exequível (tecnologia) e desejável (sociedade); pensar em divergir (criar escolhas) e convergir (fazer escolhas); e percorrer um processo não linear combinando o pensamento analítico e criativo.

Figura 01 – Premissas adotadas para execução do trabalho

A metodologia utiliza um framework composto por cinco etapas:
  1. Visão de futuro - realizar diagnóstico inicial, alinhamento estratégico e ideação inicial do projeto;
  2. Imersão - entender o contexto do cliente, do mercado ou da organização;
  3. Redesenho - desenhar solução e projetar novos processos, estruturas e tecnologias;
  4. Desenvolvimento - planejar, monitorar e aprender pela implantação de MVPs;
  5. Escala - escalar entrega da solução ao cliente.
Figura 02 – Framework utilizado no projeto

O Redesenho de Serviços Públicos está em consonância com o segmento Áreas de Integração para o Governo Eletrônico da ePING, que estabelece a padronização de especificações técnicas para sustentar o intercâmbio de informações em áreas transversais da atuação governamental, de forma a buscar a interoperabilidade de serviços de Governo Eletrônico Brasileiro.

Para mapear a convergência das ações aos pilares da governança corporativa foi desenvolvido um modelo constituído de dois componentes: elementos e conexões.

Os elementos são conceituados de acordo com sua especificidade e são relacionados a outros elementos por intermédio de conexões.

As conexões são estabelecidas de acordo com o elo de ligação entre os elementos identificados nas ações objeto dessa avaliação.

O modelo de alinhamento das ações de governança pode ser acessado em: 

Elementos e conexões do Redesenho de Serviços Públicos:
  • BPMS - Business Process Management System; 
  • Competências - Modelo de Arquitetura Corporativa;
  • Processos - Modelo de Arquitetura Corporativa;
  • Governança de Pessoas;
  • Sociedade;
  • 3 - Promoção do propósito e da noção de serviço Público - IBGP;
  • 8 - Atendimento às necessidades das partes interessadas de modo efetivo e sustentável - IBGP;
  • Bloco Execução - Gespública;
  • Avaliação de Riscos - COSO;
  • Mecanismo Estratégia - TCU.
Figura 03 – Conexões do Redesenho de Serviços Públicos

O Mapa do alinhamento da ação à Governança Corporativa destaca a interoperabilidade, que pode ser entendida como uma característica que se refere à capacidade de diversas organizações trabalharem em conjunto de modo a garantir que pessoas, organizações e sistemas computacionais interajam para trocar informações de maneira eficaz e eficiente.


No próximo artigo abordaremos o Guia de Comitê de TI do SISP.

Nenhum comentário :

Postar um comentário