quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Comentários para o planejamento


Devido a crise de confiança gerada pelos casos Enron e Parmalat, foi criado um grupo com a missão de criar normas para que todos pudessem ter o mesmo grau de comparabilidade.

Foi criado assim o padrão IFRS. Entretanto, os problemas com os diversos formatos e com o crescente aumento nas obrigações acessórias, os contadores se viram enlouquecidos para atender as demandas.

Neste aspecto é que entra o padrão XBRL. Com a sua taxonomia, ela pode servir para todas as obrigações acessórias, pois formata relatórios que podem ser utilizados por todos os entes.

Em 2013 o Grupo de Trabalho XBRL foi assumido pelo Serpro com o intuito de continuar os trabalhos começados pelo Tesouro, na criação de uma solução que integrasse as diversas informações contábeis financeiras em um único padrão, que pudesse ser compartilhado por todas as entidades que usufruem dos relatórios, interangindo entre os órgãos de governo que poderiam se beneficiar com a utilização do padrão e acompanhar de perto as iniciativas para implantação das tecnologias necessárias ao uso do padrão.

Em 2014, após esforços entre o grupo e o tesouro foi criado o SICONFI, que utiliza o padrão XBRL e auxilia os estados e municipios na entrega de demonstrativos para a União.

E se já funciona, porque não usar no Serpro? Atualmente dispomos de um sistema corporativo que transforma os dados que se encontram no siafi em demonstrativos da 6.404/76. Entretanto, o output é um arquivo em excel que necessita de ajustes para envio aos diversos tomadores de decisão. O XBRL seria uma excelente solução pois já viria formatado no padrão exigido pelos órgãos, sem a necessidade de manipulação manual de algumas informações para atender aos requisitos legais. Não se utiliza dentro da empresa, por total desconhecimento dos colegas quanto a praticidade do uso da ferramenta, por acreditarem que será muito caro para a empresa e a definição de uma taxonomia, a qual é imprescindível para a correta aplicação do padrão.

È importante salientar que, já dispomos da tecnologia dentro da empresa e que podemos utilizá-la sem custo adicional e com a eficácia comprovada, pois o nosso cliente, a STN, já utiliza com sucesso. As possíveis soluções para este problema seriam:
  • Desmitificar o uso da ferramenta;
  • Utillização plena do padrão pela empresa
  • Integrar as soluções existentes, utilizando o padrão.
  • Como o padrão passou a ser utilizado recentemente, seria interessante fazer um levantamento dos benefícios que estão sendo obtidos. Estes bons resultados poderão auxiliar na divulgação e adoção por outros órgãos.

Nenhum comentário :

Postar um comentário